24 março 2015

Agentes penitenciários dizem que governo do RN faz “teatro”

A secretária de segurança Kalina Leite, que até esta segunda também respondia pela Secretaria de Justiça e Cidadania (Sejuc), convocou uma coletiva nesta segunda-feira (23) para falar das ações que estão sendo feitas no sistema prisional do Rio Grande do Norte depois da onda de rebeliões que aconteceu no Estado. No evento, diversos agentes penitenciários marcaram presença e ficaram revoltados com algumas declarações.

A insatisfação começou quando Marcos Dionísio, representante do Conselho Estadual de Direitos Humanos, questionou a maneira como os detentos eram tratados dentro das penitenciárias do Rio Grande do Norte. Neste momento, os APs que estavam no local se retiraram e foram para a parte externa da sala. Lá, esperaram a imprensa para fazer um desabafo sobre as dificuldades que a categoria vem enfrentando, principalmente nesse momento de “crise” nas unidades.

Segundo Jucélio Alvares, os agentes têm sofrido com a falta de equipamento e de efetivo. A situação teria ficado ainda pior quando Luiz Carlos Danúzio foi anunciado como o novo titular da Coordenadoria de Administração Penitenciária (Coape). “Nós tivemos uma reunião com ele. Ele usou palavras de baixo calão para dizer que a imprensa não estava ligando para a categoria e que esse não era o momento de fazer nenhum tipo de reivindicação, que era o momento de trabalhar. Não aceitamos isso”. Jucélio também classificou as coletivas que o Governo vem realizando sobre o sistema prisional como um “teatro”. “Eles (Governo) chamam os reis e rainhas e vão falar com a imprensa. Isso é tudo teatro da parte deles. Ali não tem ninguém que realmente esteja envolvido com o que vem acontecendo. Ninguém com capacidade real para falar. Não tem nenhum representante da categoria. Os agentes penitenciários estão na linha de frente dessa situação. Estamos combatendo essas rebeliões todos os dias, sem as condições adequadas, mas em nenhum momento nós somos ouvidos sobre o que vem acontecendo e o que pode ser feito”.

Alan Araújo, outro agente penitenciário, disse que a categoria irá se reunir para discutir o que será feito. “A secretária (Kalina Leite) fala muito em cumprir a LEP (Lei de Execuções Penais). Fala o que vai ser feito nos presídios. Só que em nenhum momento se fala o que vai ser feito pelos agentes. Nós queremos ações concretas para a nossa categoria. Vamos nos reunir em assembleia para saber o que iremos fazer diante dessa situação”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário