11 abril 2017

Fim das desonerações é debatido na sabatina de indicado para Instituição Fiscal Independente

 
Durante sabatina realizada pela Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) que analisou a indicação de Gabriel Leal de Barros para diretor da Instituição Fiscal Independente do Senado, o senador Garibaldi Filho indagou ao sabatinado sobre a controvérsia do fim das desonerações anunciado pelo governo. O economista sabatinado respondeu que embora os números demonstrem que a desoneração prejudicou as contas da Previdência, ainda não há dados suficientes para averiguar se a desoneração foi ou não prejudicial ao país. Em sua intervenção, Garibaldi Filho lembrou que – em vigor desde 2011 – a desoneração da folha de pagamento beneficia a 56 setores da economia. Dependendo de sua área, a empresa paga 2,5% ou 4,5% do faturamento à Previdência Social, ao invés de recolher 20% da folha. “O fim da isenção para quase todos os setores beneficiados deverá gerar uma arrecadação de R$ 4,8 bilhões somente este ano, é o que estima o governo”, afirmou o senador Garibaldi. Bem recebido por empreendedores e analistas, o fim da desoneração, por outro lado, foi criticado por alguns setores empresariais. Garibaldi Filho observou que um dos setores que mais reclamou da decisão do governo foi a indústria têxtil e de confecção. Eles alegam prejuízos na competitividade internacional, necessidade aumento nos custos para o abastecimento local e a necessidade de gerar caixa para retomada de investimentos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário