Investigadores querem registro de entrada de delatores no Jaburu

Os investigadores da operação Lava-Jato querem o registro de entrada de Marcelo Odebrecht e do ex-diretor Cláudio Melo Filho para reunião com o presidente Michel Temer no dia 28 de maio de 2014 no Palácio do Jaburu, local em que o presidente mora até hoje. Um jantar nesta data com Temer, então vice-presidente, foi informado pelos delatores. O pedido foi feito pela Procuradoria-Geral da República, e o relator da Lava-Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Edson Fachin, determinou que a Polícia Federal cumpra essa diligência.
Temer admite ter recebido Marcelo para o jantar, mas nega que tenha tratado de doações por caixa dois com ele. O ex-presidente da Odebrecht afirma que a divisão dos R$ 10 milhões doados por caixa dois foi tratada com Eliseu Padilha (hoje ministro da Casa Civil) no momento em que o presidente tinha se levantado da mesa. Melo Filho, no entanto, afirma que Marcelo informou os valores a Temer respondendo a uma pergunta do presidente sobre qual seria o aporte para a candidatura de Paulo Skaf ao governo de São Paulo.
Além do pedido dos registros da portaria do Jaburu nesta data, os investigadores solicitaram o controle de acesso à Secretaria de Aviação Civil no ano de 2014. Melo Filho relatou em sua delação que Moreira Franco, quando ocupava essa pasta, lhe solicitou uma doação de R$ 4 milhões e que Padilha cobrou o pagamento quando sucedeu Moreira no cargo. Pede-se também informações sobre emendas parlamentares apresentadas por Padilha quando este foi deputado federal.
A PGR solicitou ainda a oitiva do advogado José Yunes, ex-assessor da Presidência e amigo pessoal de Temer. Yunes afirmou em depoimento que, a pedido de Padilha, recebeu um pacote do doleiro Lúcio Funaro, que também será ouvido. Segundo os delatores da Odebrecht, o escritório foi um dos locais em que houve entrega de dinheiro do esquema.
Quando as informações sobre o jantar vieram a público, ano passado, Temer confirmou o encontro, mas negou qualquer irregularidade nos repasses da Odebrecht. O presidente divulgou uma nota em fevereiro afirmando que solicitou “auxílio formal e oficial” à empreiteira e que não autorizou nem solicitou recursos sem amparo legal.
“Quando presidente do PMDB, Michel Temer pediu auxílio formal e oficial à Construtora Norberto Odebrecht. Não autorizou, nem solicitou que nada fosse feito sem amparo nas regras da Lei Eleitoral. A Odebrecht doou R$ 11,3 milhões ao PMDB em 2014. Tudo declarado na prestação de contas ao Tribunal Superior Eleitoral. É essa a única e exclusiva participação do presidente no episódio”, diz a nota.
Eliseu Padilha, divulgou uma nota neste sábado por meio de sua assessoria na qual diz que “confia nas instituições brasileiras” e que terá a oportunidade de exercer seu direito de defesa com a abertura do inquérito. O ministro já havia emitido nota em que diz:
“Participei do referido jantar com o presidente Michel Temer, no qual não solicitei nenhuma contribuição a ninguém. Em outros questionamentos, o presidente já confirmou que ele pediu apoio financeiro ao PMDB. A Odebrecht depositou os valores mencionados na conta do Partido, conforme prestação de contas já aprovada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE)”.
Moreira Franco e Paulo Skaf também negam envolvimento em atos ilegais.

Fonte: O Globo por Blog do BG

Nenhum comentário:

Postar um comentário

SEGUIDORES