08 agosto 2017

PRODUTORES RURAIS POTIGUARES DISCUTEM TECNOLOGIA E PLANTIO DE CACTÁCEAS

 
Tecnologias desenvolvidas nos centros de pesquisas agropecuárias estão em destaque até esta terça-feira (8) durante o Agropec Semiárido 2017 e 5º Congresso Brasileiro de Palmas e outras Cactáceas, que estão sendo realizados simultaneamente no Parque Aristófanes Fernandes, em Parnamirim. Realizados pela Federação da Agricultura e Pecuária do Rio Grande do Norte (Faern) e Sebrae, os eventos reúnem mais de dois mil produtores rurais do semiárido nordestino e alguns dos mais importantes especialistas e pesquisadores do setor agropecuário. O Seminário e o congresso também são patrocinados pela Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária do Brasil e Senar-RN, outros parceiros.
Capitaneado pelo presidente da Faern e do Conselho Deliberativo do Sebrae no Rio Grande do Norte, José Álvares Vieira, o Agropec Semiárido contou na solenidade de abertura com a presença do Governador do Estado, Robinson Faria, do presidente da Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária do Brasil, João Martins da Silva Júnior e do Ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho, que proferiu palestra magna sobre a integração do Rio São Francisco.
Também participaram a gestora nacional do Projeto Sertão Empreendedor do Sebrae, Claudia Stehling, o diretor técnico do Sebrae-BA, Franklin Santana Santos, o diretor técnico do Sebrae-RN, João Hélio Cavalcanti e o diretor de Operações, Eduardo Viana, entre outras autoridades. Na visão do presidente da FAERN, José Vieira, o Agropec é uma grande oportunidade para que os produtores tenham acesso a uma gama de tecnologias e informações de 89 palestrantes que ministrarão 166 palestras, incluindo aulas práticas que serão desenvolvidas nos dois dias. É importante destacar o Congresso Brasileiro de Palmas, que é uma das principais forrageiras do semiárido nordestino.
“Temos aqui reunidos os melhores pesquisadores e palestrantes do Nordeste, do Brasil e do exterior, apresentando o que temos de melhor em termos de tecnologias validadas pelas empresas de pesquisas agropecuárias e universidades. O apicultor, por exemplo, não está aqui apenas para aprender a produzir o mel. Nós queremos ele produza o pólen, a abelha rainha, a propólis. Enfim, produtos de valor agregado”, exemplifica Vieira.
O governador do Estado, Robinson Faria, destacou a importância do evento para o setor agropecuário do seminárido nordestino, onde existe um número significativo de pequenos produtores rurais. “O agronegócio passa também por tecnologia e essa troca de informações sobre o que deu certo no Rio Grande do Norte e o que pode ser aplicado de tecnologia de outros estados é muito importante. A nossa empresa de pesquisa agropecuária, a Emparn, tem dado grande contribuição aos produtores que vivem nessa região. É essencial buscarmos alternativas de fortalecer o semiárido para o enfrentamento da seca, que se agrava ao longo dos anos”, afirma Robinson lembrando algumas ações de políticas públicas para o setor, como a aprovação de legislação para atividades como produção de queijos regionais e carcinicultura.
Sertão Empreendedor
A gestora nacional do Projeto Sertão Empreendedor do Sebrae, Claudia Stehling, explica que o projeto tem gerado resultados significativos para os pequenos produtores e empresários rurais da região do semiárido, que com o emprego de tecnologias e com o apoio do Sebrae e dos parceiros do projeto, estão conseguindo desenvolver suas atividades de forma lucrativa. “O semiárido é um bioma diferenciado que traz na sua composição características que dificultam a produção agropecuária e o Sertão Empreendedor tem sido muito importante para manter o homem no campo e renovar sua força para continuar produzindo com excelentes resultados”, afirma Claudia Stehling.
O projeto Sertão Empreendedor atende, segundo Claudia Stehling, seis mil produtores em oito estados da Federação, sendo sete do na região Nordeste. Cada estado atua de acordo com as características das cadeias produtivas de sua respectiva região. Segundo José Vieira, o semiárido nordestino é a grande fronteira que falta ser desenvolvida para a agropecuária brasileira. “O Sebrae e o Senar juntos estão disponibilizando aqui o que há de melhor em tecnologia e inovação na área, inclusive o que existe de bom e que está funcionando com sucesso. O pequeno produtor rural tem a oportunidade de se qualificar cada vez mais em reuso de água, cultivo e manejo de palma, entre outros. Assim melhoram a produtividade e, consequentemente, a renda”, avalia Vieira.
Os eventos prosseguem até essa terça-feira (8) com palestras de especialistas em apicultura, bovinocultura leiteira e de corte, pastagem e alimentação para caprinos e ovinos, manejo e reprodução de equinos, avicultura caipira, inseminação artificial em suínos, piscicultura em tanques escavados, interiorização na produção de camarões, ostreicultura, reuso da água na produção de forragem, tecnologia sustentável e opções para intensificação da produção animal no seminárido. Além de vasta programação relativa à palma forrageira no Nordeste brasileiro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário