Fotona' de nu artístico reúne 115 pessoas no Museu da República de Brasília

Nu coletivo no centro da capital federal foi registrado pelo fotógrafo Kazuo Okubo. 'Fotona' é recorde em número de pessoas no Centro-Oeste, segundo organizadores.

Debaixo de um céu sem nuvens em uma praça ampla de cimento e concreto, havia corpos nus. Sem roupa e sem pudor, 115 homens e mulheres compuseram a cenografia da Praça do Museu da República, no coração de Brasília, na manhã deste sábado (2).
A intervenção no espaço urbano foi registrada pelo olhar do fotógrafoKazuo Okubo, que carrega 43 anos de experiência por trás das lentes.
Reconhecido pelo trabalho sensível com a nudez, ele ficou responsável por captar o momento histórico – esta foi a maior foto de nu artístico do Centro-Oeste em número de pessoas, segundo os organizadores.
Do alto de um guindaste a 20 metros de altura, o fotógrafo, munido de um alto falante, coordenou os participantes para formar desenhos. Um drone também registrou a intervenção.
Segundo o idealizador da foto-protesto, Diego Ponce de Leon, a ideia de fazer um nu coletivo e registrar o momento surgiu da vontade de "contrariar o panorama retrógrado e careta da cidade opressora que não abarca a arte".
O projeto da "fotona" ganhou força quando o artista paranaense Maikon Kempinski foi detido pela Polícia Militar do DF, em 15 de julho, justamente enquanto fazia uma performance nu no mesmo local.
"Estava cansado dessa ideia de que em Brasília ninguém se esbarra, onde o conservadorismo toma conta", disse na abertura do evento. "O grande problema [na apresentação do Maikon] era só um corpo nu."
A ação deste sábado foi organizada em parceria com o festival internacional de teatro Cena Contemporânea, que convidou o artista para voltar a Brasília e repetir a performance exatamente como havia tentado fazer, em praça pública. A apresentação, “DNA de Dan”, será realizada às 17h.
Veja programação completa da 18ª edição do Cena, que termina neste domingo (3).
Para evitar que o nu coletivo fosse impedido, mais uma vez, por policiais (ou mesmo por pessoas comuns), os organizadores conseguiram autorização da Secretaria de Segurança, que montou um alambrado para demarcar a área onde a intervenção ocorreu.

G1 DF

Nenhum comentário:

Postar um comentário

SEGUIDORES