"ENTREI NO GRUPO PARA ISSO", DIZ ASSASSINO DE JOVEM QUE OFERECEU CARONA NA WEB.

Três suspeitos foram presos; Kelly Cadamuro combinou pelo WhatsApp de dar carona para um casal, mas só um homem apareceu no ponto de encontro.
 
 A Companhia de Ações Especiais da Polícia Militar (Caep) de São José do Rio Preto, interior do estado de São Paulo, prendeu três homens suspeitos de envolvimento na morte de uma jovem que estava desaparecida desta a última quarta-feira (1º), quando cedeu carona para um desconhecido.
Kelly Cristina Cadamuro, de 22 anos, foi encontrada morta nesta quinta-feira (2), próximo a um córrego, em uma área rural entre os municípios de Itapagipe e Furtal, em Minas Gerais. A jovem viajava para visitar o namorado, mas deu carona para o próprio assassino.
Moradora de Guapiaçu, a radiologista Kelly iria passar o feriado com o namorado engenheiro civil Marcos Antônio da Silva, de 28 anos, em Itagagipe. Para diminuir os custos da viagem, a jovem costumava oferecer caronas para outros viajantes.
Segundo o namorado, tais caronas eram combinadas com segurança e ela sempre enviava para ele uma foto da pessoa que estaria no carro com ela. Nesse feriado, porém, Kelly combinou uma carona pelo telefone.
Ela combinou a carona com uma moça que dizia querer viajar com o namorado. A carona com o casal foi combinada por meio do WhatsApp e, dessa vez, Kelly não teve como mandar uma foto para o namorado.
Na hora da viagem, porém, apenas o rapaz estava no ponto de encontro e avisou que a namorada dele havia desistido da carona. Kelly, então, pegou estrada sozinha com Jonathan – que mais tarde confessou ter matado a vítima.
O último contato que Kelly teve com a família foi às 19h23, quando ela parou para abastecer o carro em um posto de combustíveis na BR-153, em Nova Granada. Às 19h24, foi a última vez que ela abriu o aplicativo de mensagens.
Três detidos
Em entrevista ao jornal Diário Da Região de Rio Preto, o tenente Taparo, do Caep, afirmou que três homens foram presos suspeitos de terem agido na morte de Kelly.
Um deles, identificado como Jonathan Pereira do Prado, foi o homem que pegou carona com a jovem e confessou o latrocínio da radiologista.
Segundo o tenente, Jonathan confessou que entrou no grupo de caronas no WhatsApp – onde encontrou a oportunidade de viajar com Kelly – justamente para cometer esse crime.
Detido, o assassino entregou outros dois parceiros que teriam ajudado a matar a jovem. Um deles foi preso no bairro Marajó e o outro próximo ao Maria Lúcia, em Rio Preto .
A prisão dos três suspeitos ocorreu na madrugada desta sexta. Além deles, uma quarta pessoa parece estar envolvida no crime, disse o tenente da polícia.
O corpo de Kelly foi encontrado seminu em um córrego, com a cabeça mergulhada na água. A declaração de óbito aponta que a vítima que ofereceu carona para um estranho foi vítima de asfixia e estrangulamento . A calça que ela usava foi encontrada a três quilômetros de distância do corpo.

Fonte: Último Segundo - iG

Nenhum comentário:

Postar um comentário

SEGUIDORES