Greve de fome em 34 presídios, no RN e mais 06 Estados, resulta em 02 mortes

 
 Detentos de ao menos 34 presídios estaduais e federais, em 7 Estados do país, promovem rebeliões e protestos com greve de fome.
Os detentos reivindicaram melhores condições nos presídios. Em Cascavel, no Paraná, 2 presidiários foram assassinados. Os governos associam atos a facções criminosas.
Na Penitenciária Estadual de Cascavel, a rebelião durou mais de 15 horas. Os presos tomaram parte da unidade prisional pouco depois das 15h da última 5ª (09.nov.2017), e fizeram 3 agentes penitenciários reféns. Os detentos chegaram a estender uma faixa com a sigla do PCC (Primeiro Comando da Capital) durante a rebelião.
Detentos do Pará, do Acre, do Rio, de Mato Grosso, de Mato Grosso do Sul e do Rio Grande do Norte fazem greve de fome. Em todos os Estados, os governos locais afirmam que a alimentação continua a ser fornecida à população carcerária.
No Rio de Janeiro, a greve de fome atinge 12 presídios no Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu. Os presos envolvidos no protesto foram alojados em espaços destinados ao CV (Comando Vermelho), maior facção do Estado.
Segundo o Ministério da Justiça, há registro de protesto nos 4 presídios federais: Catanduvas (PR), Campo Grande (MS) e Mossoró (RN). Do total de 379 detentos, 112 se recusam a receber alimentação.
Em Mato Grosso, 26 presos explodiram 1 muro e fugiram da penitenciária Major Eldo Sá Corrêa, a 218 quilômetros de Cuiabá. A unidade vinha registrando greve de fome entre os detentos desde o início da semana. Segundo eles, faltam medicamentos, dentistas e médicos especialistas para tratamento de doenças, como tuberculose.

* Jair Sampaio Com informações da Agência Brasil

Nenhum comentário:

Postar um comentário

SEGUIDORES