29 novembro 2017

Procurador geral suspeita de edição de vídeo de Garotinho na prisão sobre caso de agressão

O procurador-geral de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, Eduardo Gussem, encaminhou ofício, nesta terça-feira, ao secretário de Estado de Administração Penitenciária, Erir Ribeiro, requisitando imagens de vídeo gravadas pelas câmerasinstaladas na galeria B da Cadeia Pública José Frederico Marques, em Benfica. O ex-governador Anthony Garotinho disse que teria sido agedido no local por um homem que invadiu a cela dele com um porrete. No pedido, o procurador explica que recebeu informações de possível edição das imagens disponibilizadas pela Secretaria de Administração Penitenciária (Seap).
O pedido especifica o período entre 20h do dia 23 de novembro às 6h do dia 24 de novembro, horário em que teria ocorrido a agressão.
Na segunda-feira, o diretor da penitenciária de Benfica, Fábio Ferraz Sodré, e cinco agentes penitenciários que trabalham na unidade prestaram depoimento na 21ª DP (Bonsucesso). Todos disseram à polícia que é “quase impossível” o ex-governador ter sido agredido na prisão.
Segundo a Seap informou à Vara de Execuções Penais, Garotinho teria se autolesionado. O exame de corpo de delito confirmou as lesões corporais. No entanto, o laudo não atesta se ele se autolesionou ou se foi agredido por outra pessoa. Foram constatadas lesões no joelho e no pé causadas por objeto contundente. O exame foi feito no Instituto Médico Legal (IML) na última sexta-feira.
A Polícia Civil vai fazer, na manhã desta quarta-feira, uma perícia na cela onde estava o ex-governador. Na sexta-feira, após as denúncias de agressão, Garotinho foi tranferido para a Cadeia Pública Pedrolino Werling de Oliveira (Bangu 8), no Complexo Penitenciário de Gericinó, na Zona Oeste.
Em Bangu 8, Garotinho está isolado em uma cela monitorada por uma câmera 24 horas por dia. A transferência foi feita como punição por não ter provado as supostas agressões que disse ter sofrido.
Em depoimento à polícia, Garotinho contou que um homem entrou em sua cela na madrugada de sexta-feira e o agrediu com um porrete, além de ter feito ameaças com uma arma. Segundo o ex-governador, a agressão teria sido causada em retaliação às denúncias feitas por ele sobre irregularidades em órgãos dos estado, inclusive a Seap.
Na prisão, Garotinho chegou a ser atendido pelo ex-secretário de Saúde Sérgio Côrtes, aliado do ex-governador Sérgio Cabral. Côrtes está preso sob a acusação de receber propina e trabalha na enfermaria da prisão em Benfica, para onde estão sendo levados os presos da Lava-Jato no Rio.

Fonte: O Globo

Nenhum comentário:

Postar um comentário