05 dezembro 2017

Morte de agente penitenciário em Natal foi planejada por facção criminosa, diz polícia

G1/RN
O agente penitenciário Thiago Jefferson Bezerra de Lima, assassinado em 10 de outubro passado, foi morto a mando de uma facção criminosa que atua no Rio Grande do Norte. O motivo seria que na rua em que ele morava havia um ponto de venda de drogas, e a presença do agente no local atrapalhava o comércio ilegal de entorpecentes. As informações são da Polícia Civil.
A Divisão de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP) divulgou nesta terça-feira (05) o resultado da Operação Ousadia, que elucidou o homicídio de Thiago Jefferson, ocorrido no bairro do Bom Pastor, Zona Oeste de Natal.
De acordo com as investigações, a morte do agente foi resultado de uma ação criminosa conjunta com participação de 17 pessoas que fazem parte da facção Sindicato do RN, sendo três adolescentes. Segundo a Polícia Civil, dos 17 envolvidos no crime, oito homens estão presos, quatro estão foragidos, dois homens estão em liberdade, um adolescente está apreendido e dois adolescentes deles estão em liberdade.
O delegado Reginaldo Soares, responsável pelas investigações da DHPP na Zona Oeste da capital, afirma que Thiago Jefferson foi morto por ordens que partiram do Pavilhão 5 da Penitenciária de Alcaçuz, que tinham por objetivo “limpar” a rua na qual o agente de segurança morava.
“Nós descobrimos que a rua da vítima havia uma boca de fumo considerada importante para os integrantes do Sindicato do RN, e o fato do agente morar naquela rua estava atrapalhando as ações criminosas relacionadas ao tráfico de drogas”, detalhou o delegado Reginaldo Soares.
De acordo com a Polícia Civil, as lideranças do tráfico de drogas naquele local eram Felipe Santos Araújo, conhecido por “Coqueiro”; Tancredo Lins Filgueira, conhecido por “Tandinha” e Cristiano da Silva Bezerril, conhecido por “Tiano”. Além desses três, Júlio César Ferreira da Silva, conhecido por “Galego-Galeguinho”, e João Maria Santos de Oliveira, o “João Mago”, também seriam os mandantes do crime. Todos estão presos.
Ainda segundo a polícia, o crime envolveu a participação dos cinco mandantes, quatro executores, dois homens que faziam o monitoramento do cotidiano da vítima, cinco pessoas que deram apoio na fuga (sendo três adolescentes e outros dois homens) e um homem responsável por dar sumiço à arma que era do agente penitenciário, uma pistola calibre 380. “Um dos mandantes do crime, Cristiano da Silva Bezerril, foi preso em Caruaru no dia 14 de outubro, pelo crime de tráfico de drogas, quando estava cm quatro quilos de maconha. Na mesma data, a polícia também apreendeu o primo de Cristiano, um adolescente que tinha fugido com ele para Pernambuco”, conta o delegado Reginaldo Soares.

Nenhum comentário:

Postar um comentário